17/05/2018

Fotos: Rio Tarauacá, no Acre, entre a beleza e a crise


Reportagem do Acre.com.br viaja durante dois dias, percorrendo as águas do Rio Tarauacá.
A equipe do Acre.com.br percorreu as águas, fez registro fotográfico das margens do rio e convervou com moradores de seringais e ‘colocações’ distantes.
Rio Tarauacá é um curso de água que banha os estados do Acre e Amazonas, no Brasil. É afluente de margem direita do rio Juruá. Desagua no rio Juruá, do qual é afluente de margem direita, frente à cidade de Eirunepé, no estado do Amazonas.
Portanto, o Rio Tarauaracá é um rio brasileiro que banha o estado do Acre. É o afluente mais importante do rio Juruá, atingindo esse rio no estado do Amazonas. É navegável desde sua foz até a foz do rio Jordão, quase divisa com o Peru. Apresenta uma profundidade mínima de 1,20 m.
O rio já atingiu pontos críticos devido às chuvas na região, tendo sido protagonista de uma enchente histórica em novembro de 2014. Em janeiro de 2016, o rio atingiu a cota de alerta, que é de 8,50 metros.
Pescadores e moradores da floresta, reclamam da escassez de peixes nas águas dos rios. Dizem que a cada dia, a pesca fica mais difícil, sendo necessária percorrer igarapés para obter uma pesca de êxito, bem como se socorrer na caça de animais silvestres.
Importante destacar que o município de Tarauacá é um município brasileiro localizado no noroeste do estado do Acre. Está distante 400 km da capital do estado, Rio Branco. Sua população, de acordo com estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), era de 40 024 habitantes em 2017, o que a coloca na posição de 4ª mais populosa de seu estado. Ocupa o terceiro lugar entre os municípios do estado em extensão territorial, com uma área de 15.553,43 km.
No tocante ao Rio Tarauacá, suas cheias são históricas e regulares. Em 15.03.2017, o rio voltou a ultrapassar a cota de alerta e de transbordo, e marcou 10,20 metros. A cota de alerta é de 8,50 metros e a de transbordo de 9,50 metros. A Defesa Civil da cidade, naquele ano informou que as águas do manancial deixaram mais de 400 famílias ilhadas em cinco bairros, entre eles, o Senador Pompeu, Bairro Triângulo e Praia.
A atividade turística é praticamente inexistente na região. E apesar da crise ambiental vivenciada na região, a beleza do lugar atrai e encanta quem visita o lugar.
O Rio Tarauacá é fundamental para a atividade econômica do município. A precária base econômica do município está no comércio, agricultura, pecuária, pesca e no extrativismo de madeira,  através do rio. Entretanto, é o funcionalismo público que sustenta o município.
O rio é o principal canal de transporte, por ele as pessoas deslocam seus víveres e impulsionam pequenas atividades mercantis. A bicicleta é o principal meio de transporte no município. A rádio FM Nova é o meio de comunicação mais comum entre a cidade e a floresta.
Porém, a cada ano, o rio apresenta aumento do assoreamento, que em ‘língua de gente’, significa dizer que o leito do rio está acumulando detritos, lixo, entulho ou outros materiais.
Essa crise ambiental do Rio Tarauacá, é resultado da deterioração de suas margens, influenciada pelo desmatamento ciliar, ou seja, o mau uso do solo e a exploração dos recursos ambientais. A remoção da vegetação nas costas energiza a erosão do solo, colaborando com o assoreamento do rio.
Em Tarauacá, não há qualquer política pública de caráter ambiental, seja pelo governo federal, estadual ou municipal.
A crise torna-se mais problemática devido ao aquecimento global, aumento do desmatamento, e também pelo aumento da população que explora de forma predatória os recursos naturais, tanto a flora como a fauna, no percurso de 715 km, que é o comprimentodo rio Tarauacá.

Nenhum comentário: