02/06/2018

Movimentação de organizações criminosas deixam MP, TJ e Governo em alerta


Aprocuradora-geral de Justiça do Ministério Público do Estado do Acre (MPAC), Kátia Reja de Araújo Rodrigues, se reuniu nesta quarta-feira, 30, com o governador Tião Viana e o presidente, em exercício, do Tribunal de Justiça do Estado do Acre (TJAC), Francisco Djalma. Na ocasião, Tião Viana anunciou que os serviços de inteligência do Sistema Integrado de Segurança Pública (Sisp) receberam um alerta acerca de uma ação nacional das organizações criminosas contra a ordem pública estadual.

Para o governador do Estado, esta é mais uma ação causada pela omissão do governo federal no controle das fronteiras, o que favorece o narcotráfico.

“Estamos levando nossa preocupação a todas as instituições e temos a plena certeza de que o que fortalece esse tipo de ambiente para ameaças de facções e o narcotráfico é a fragilidade nas fronteiras da Amazônia, pois não há uma barreira de contenção por parte do governo federal. Precisamos fortalecer as instituições federais na Amazônia”, disse o governador.

Ciente da situação, Kátia Rejane informou que o MPAC já adotou todas as medidas internas possíveis para a preservação da integridade física de seus membros, servidores e patrimônio, assim como está firmemente engajada para atuar em conjunto com o Estado e o poder judiciário em prol da segurança da sociedade.

“Como medida externa estamos alertando todos os membros do MPAC para que fiquem atentos quanto a adoção das medidas necessárias para coibir esse tipo de ação que não é aceita em nenhum ambiente. Vamos trabalhar e colaborar no que for possível para combater eventuais ações e garantir a segurança de todos”, destacou Kátia Rejane.

O representante do TJAC também assegurou a atuação do judiciário e destacou a importância da união entre os poderes constituídos e as instituições.

“Em termos de poder judiciário o que se puder fazer iremos fazer para conduzir esse momento dentro da normalidade. Vamos acionar os juizados e dar ciência da situação para que, junto ao MPAC, possamos implementar as medidas necessárias para coibir eventuais atentados”, declarou o desembargador.

Tião Viana acrescentou, ainda, que o governo está adotando todas as medidas necessárias, assim como o TJAC e MPAC.

“Temos o Exército Brasileiro, a Policia Federal e a Policia Rodoviária Federal que são muito atuantes e fazem o que podem, mas a estrutura é frágil na Amazônia e por isso precisamos fortalecer a defesa das instituições para que o crime do narcotráfico não tenha portas abertas e venha atingir milhões de inocentes neste país”, externou. Por Agência de Notícias do MPAC. Foto: Alexandre Noronha.

Nenhum comentário: