01/08/2018

Conselho Federal de Medicina diz que Acre perdeu quase 80 leitos de internação do SUS em oito anos; Saúde rebate


No mesmo período, estado ganhou 19 leitos particulares e região Norte apresentou saldo positivo com 184 leitos a mais. G1 não conseguiu contato com Central de Leitos do Acre para comentar os dados.

Foto: Número de leitos no Acre caiu para 1.304 nos últimos oito anos, segundo CFM (Foto: Aldejane Pinto/Arquivo pessoal).

OAcre perdeu quase 80 leitos de internação do Sistema Único de Saúde (SUS) nos últimos oito anos. Em 2010, o estado tinha 1.383 leitos na saúde pública e em 2018 esse número caiu para 1.304.

O levantamento é do Conselho Federal de Medicina (CFM) que foi divulgado no último dia 12 deste mês.

A Secretaria de Saúde do Acre (Sesacre) rebate os dados e informou, por meio de nota, que conforme o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES) há 1.414 leitos de internação do SUS no estado atualmente.

Segundo o órgão, esse dado mostra que não houve redução nos últimos oito anos e sim aumento na oferta de leitos.

A Sesacre afirma que foram ampliados oito leitos cirúrgicos em contratualidades no Hospital Santa Juliana e que houve aumento de oito leitos na UTI do Pronto-Socorro de Rio Branco. A Saúde disse que segue determinação de cobertura assistencial do SUS com três leitos para cada mil habitantes.

Além disso, possui uma cobertura de 95% do total da população dependente do SUS, porcentagem acima da média do Ministério da Saúde que trabalha com 75,5%.

Os dados mostram também que Acre ganhou 19 leitos particulares no mesmo período. Além disso, a região Norte apresentou saldo positivo de 1%, cerca de 184 leitos a mais.

O CFM listou ainda o número de leitos de internação que foram reduzidos ou aumentados nos últimos oito anos no Acre. Nesse período houve redução de 71 leitos cirúrgicos, 19 obstétricos e 22 pediátricos. Ainda de 2010 a 2018, houve a criação de 30 leitos clínicos.

Rio Branco, capital acreana, possuía em 2010, segundo o CFM, 727 leitos e este ano possui apenas 711. Houve a perda de 16 leitos de internação. G1Ac.

Nenhum comentário: