14/08/2018

Enxuto, plano de Marcus Viana ressalta “avanços” do Acre em 20 anos com governos petistas


Com um número de páginas menor do que o apresentado pelo seu adversário Gladson Cameli (PP), o plano de governo de Marcus Alexandre Viana (PT) tem como um de seus focos principais enaltecer os avanços obtidos pelo Acre nas duas últimas décadas de governos petistas.

Para compensar a fadiga causada pela longevidade de seu partido no poder, Marcus Viana faz uso constante dos termos renovação, mudança e novos ciclos. Ao menos dois pontos são tratados com prioridade: economia e segurança pública, os temas mais sensíveis para o eleitorado acreano.

Ao todo, o documento entregue nesta terça-feira (14) ao Tribunal Regional Eleitoral contém 74 páginas. Ele está dividido em seis eixos: desenvolvimento econômico e meio ambiente, infraestrutura, governança e gestão, desenvolvimento social, segurança pública, direitos humanos e políticas afirmativas.

Na primeira parte, é apresentado um balanço resumido das gestões petistas acreanas, com os temas “nosso legado” e “um novo ciclo”. “Chegou a hora de realizar um balanço do tempo e do compasso do nosso projeto e do trabalho que desenvolvemos no governo do Estado nas duas últimas décadas”, diz trecho.

De acordo com o plano, o projeto da Frente Popular não é de caráter político-partidário ou um projeto de poder. “Nosso projeto é o Acre.” Numa avaliação histórica, o documento afirma que a idade do projeto do grupo de partidos governistas não é de 20 anos, mas data dos primórdios da ocupação do território do Acre, no fim do século 19.

“Nosso projeto surgiu quando os primeiros acreanos lutaram contra o domínio estrangeiro e conquistaram nosso lugar no Brasil.” Em seguida, são apontados os avanços dos governos petistas, iniciado em 1999 com a ascensão do engenheiro florestal Jorge Viana ao Palácio Rio Branco.

Nesta parte, o plano recorre com frequência a comparações entre os períodos pré e pós-PT. Um deles foi o fim do crime organizado e do esquadrão da morte formado por policiais, que atuou no Acre até o fim da década de 1990. Em certo momento, é reconhecido que a violência voltou ao estado por conta da “nacionalização” da atuação das facções criminosas.

Apontada como uma das prioridades de Marcus caso seja eleito em outubro, a segurança pública conta com 15 propostas que devem ser implementadas. A maioria é muito genérica, sem apresentar grandes novidades em relação ao que já é realizado. Uma das promessas é fortalecer o controle das unidades prisionais, hoje o grande palco de organização e atuação das facções criminosas.

Nenhum comentário: