segunda-feira, 5 de novembro de 2018

PESQUISA APONTA QUE UM TERÇO DOS MÉDICOS NÃO SABEM SE ORIENTAÇÃO SEXUAL É DOENÇA (GN - BRASIL)

Foto: Reprodução / Agência Brasil

Um estudo recente de três pesquisadores da Universidade de Brasília (UnB) evidenciou o desconhecimento de médicos heterossexuais quanto à homossexualidade. Visando identificar percepções equivocadas que podem prejudicar o atendimento de pacientes, Renata Corrêa-Ribeiro, Fabio Iglesias e Einstein Francisco Camargos questionaram 224 profissionais atuantes no Distrito Federal, a partir de um roteiro de perguntas formuladas por estudiosos norte-americanos. 

De acordo com a Agência Brasil, ao final do experimento, constatou-se que os participantes acertaram, em média, apenas 11,8 dos itens (65,5% das 18 respostas dadas). Alguns deles atingiram somente dois acertos. O número de erros foi maior entre católicos e evangélicos, que indicaram 11,43 alternativas corretas, em média. 

A pontuação dos médicos que informaram ter outras religiões ou nenhuma foi de 12,42 acertos. Os participantes tinham, em média, 42 anos de idade, e eram majoritariamente mulheres (149 profissionais, 66,5%). 

À época da aplicação do questionário, a maioria (208 pessoas, 92,9%) exercia a atividade após concluir a residência médica. Os autores do artigo, intitulado ‘O que médicos sabem sobre a homossexualidade?’ e publicado no início do ano, destacam que a sociedade médica tem alertado, há algum tempo, para comportamentos de profissionais da categoria que podem prejudicar o atendimento do segmento LGBTI (lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e intersexuais). 

Com medo de serem hostilizadas, as pessoas pertencentes a esses grupos podem acabar deixando, por exemplo, de fazer consultas periódicas, tão importantes na detecção de doenças em estágio inicial. 
(BN)

Nenhum comentário: