domingo, 14 de março de 2021

Conduta ilegal de Moro torna presidência de Bolsonaro ilegítima, aponta Janio de Freitas


A informação de que o ex-juiz de Curitiba perseguiu o ex-presidente Lula mancha de vez o processo eleitoral brasileiro
14 de março de 2021, 07:15 h Atualizado em 14 de março de 2021, 07:15


Mídia foi parceria da delinquência de Moro, diz Janio de Freitas

247 – Com a confirmação pelo Supremo Tribunal Federal de que o ex-juiz Sérgio Moro não era competente para julgar o ex-presidente Lula e também agiu de forma ilegal e suspeita, cai a própria legitimidade da eleição presidencial de 2018.

"As duas ações em que Edson Fachin emitiu decisão e Gilmar Mendes proferiu voto, apesar de formalmente separadas, tratam do mesmo tema. Na aparência, a conduta ilegal e persecutória de Sergio Moro nos processos com que retirou o candidato Lula da Silva (39% das preferências) da disputa pela Presidência em 2018, encaminhando a eleição de Bolsonaro (18%). A rigor, o que está na essência das ações judiciais é uma operação de interferências distorcivas no processo eleitoral que comprometeram, por inteiro, a legitimidade de uma eleição presidencial", escreve Janio de Freitas, em sua coluna.

"Nem Sergio Moro é 'caso de suspeição', nem a ocupação da Presidência por Bolsonaro, mesmo que vista como legal, tem legitimidade", aponta ainda o colunista.


fonte: brasil247.com.br

Nenhum comentário: