10.26.2021

A gasolina de Bolsonaro: veja as promessas e como era o preço com Dilma

Quando candidato, o atual presidente garantia combustível barato nas bombas e reclamava dos R$ 2,69 por litro na gestão de petista. Agora, com o produto ultrapassando os R$ 7, a culpa é de todo mundo, menos dele

Foto: NSC Total (Reprodução)

Durante o mês de abril de 2016, que culminou com o impeachment da presidenta Dilma Rousseff, o preço médio da gasolina nos postos brasileiros era de R$ 2,69. Não foram poucos os casos de brasileiros indignados nas bombas de combustíveis que gravavam vídeos esculhambando com a chefe do Executivo federal, clamando por seu impedimento para que o preço do produto recusasse.

Quem aproveitou para surfar essa onda foi o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP). Ele gravou um vídeo, nos EUA, ao lado de uma amiga, identificada como Karol Eller, protestando contra o preço “alto” da gasolina, que à época girava em torno de R$ 2,50 no Brasil. Nas imagens, o filho 03 de Jair Bolsonaro debocha após a mulher abastecer meio tanque e pagar US$ 12.

“Já pensou pagar R$ 24 e colocar meio tanque? Nós somos os donos do petróleo e somos autossuficientes! Agora você tá aí pagando o preço da Lava Jato, da corrupção do pessoal do PT lá atrás”, falou em 2016.
Sonho e promessas com Bolsonaro

O então candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro encheu a mente de seu eleitorado com sonhos em relação ao preço dos combustíveis. Ele chegou a utilizar material de campanha que prometia o litro da gasolina a R$ 2,50. Num evento em outubro de 2018, no auge da disputa eleitoral, Bolsonaro disse o seguinte a líderes políticos que o apoiavam, durante um ato de campanha no Rio:

“Se cada litro de gasolina que você paga aqui no Rio de Janeiro, você bota R$1,60 a partir do ICMS (…) O que nós pretendemos fazer, junto com a equipe econômica, é buscar de fato a independência do petróleo. Sabemos a dificuldade que a empresa (Petrobras) tem de explorar, porque é uma empresa que foi quebrada pelo PT. Mas temos que buscar uma maneira, já que temos uma estatal que pratica o monopólio, de tirar o combustível e colocar o combustível na bomba dos postos do Brasil com preço compatível com a realidade brasileira.”
Realidade com Bolsonaro

O coordenador-geral da Federação Única dos Petroleiros (FUP), Deyvid Bacelar, explicou em entrevista à Fórum, no final de setembro, como é formado o preço dos combustíveis no país e desmistificou as teorias de Jair Bolsonaro que atribuem culpa a vários atores, exceto a ele mesmo.

“O verdadeiro culpado pelos sucessivos reajustes dos combustíveis é a política de preço de paridade de importação (PPI), adotada pela gestão da Petrobrás, que se baseia nas cotações internacionais do petróleo, na variação do dólar e nos custos de importação, sem levar em conta que o Brasil produz internamente cerca de 90% do petróleo que consome”, afirmou Bacelar

O preço médio na gasolina no Brasil já bateu vários recordes em 2021 e atualmente é o maior da história: R$ 6,36 em média. Há postos de quatro estados cobrando mais de R$ 7 no litro do combustível. Os dados são da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). O aumento, só de janeiro a julho deste ano, no primeiro semestre, foi de 27,51%, muito acima da inflação, que ficou em 4,76% naquele período.
Atrelar o petróleo ao dólar

Ao atrelar o valor do barril de petróleo ao dólar, medida tomada pela Petrobras em 2016, durante o governo de Michel Temer, deixando o produto sujeito às cotações do mercado internacional, uma tempestade perfeita se formou a partir da chegada da pandemia e do desastre das políticas econômicas da gestão Bolsonaro.

Com a disparada do dólar, a escassez do petróleo no mercado por conta da redução na produção, já que não havia demanda, e a consequente perda no poder de compra dos brasileiros, que empobrecem a passos largos, comprar gasolina tornou-se muito caro por aqui.
Qual o tamanho da inflação nos postos

Dados do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) apontam que a participação da Petrobras no preço final dos combustíveis no país, que era de 30% no preço do litro da gasolina, hoje é de 33,4%. No diesel, passou de 48% para 52,1%; e no GLP, saiu de 23% para atuais 47,5%.

Desde o começo do governo Bolsonaro, o aumento do diesel nas refinarias chega a 66,1%, com efeitos em cascata, impactando diversos custos de produção, transportes e preços dos alimentos. A gasolina, por sua vez, aumentou 80% nas refinarias desde a posse do atual presidente. Apenas neste ano, a alta é de 45,7%.
Fonte: https://revistaforum.com.br/

Nenhum comentário: