11.30.2021

Abono: Não é presente de natal nem bondade, é a necessidade do governo investir para não ter as contas reprovadas



O anúncio de um abono de cerca de R$ 16 mil para os professores neste fim de ano, provocou novo mal estar entre o governo do estado e os trabalhadores que ficaram fora da lista dos beneficiários.

O abono que será concedido com restos do Fundeb (dinheiro que deixou de ser gasto com manutenção, merenda, dentre outros, porque as escolas ficaram sem aulas presenciais), foi anunciado exclusivamente para professores, deixando o restante dos trabalhadores em Educação fora do benefício, entre eles, os professores assistentes. Só em Rio Branco atuam cerca de mil professores assistentes.

Segundo o Acre in Focos os trabalhadores se mobilizaram, criaram grupos no whatsapp e realizaram manifestações, inclusive com interrupção do tráfego no centro da cidade. Eles bloquearam a Av. Brasil, no Centro da Capital, em frente a sede da Casa Civil, exigindo serem inseridos no pacote do benefício.

A confusão acontece no momento em que a Assembleia Legislativa está sem sessões porque a maioria dos deputados está em Campo Grande- Mato grosso do Sul, em um congresso da Unale (União dos Legislativos Estaduais).

O deputado Daniel Zen (PT), um dos poucos que permaneceu em Rio Branco, gravou um vídeo que postou em sua página no Facebook, explicando quem tem direito ao abono. Zen já foi Secretário de Educação e fala com experiência da função.

Já o professor Cláudio Ezequiel, que já foi presidente do Sinteac e Secretário Municipal de Administração, foi contundente em seu post.

“Não existe bondade muito menos presente é OBRIGAÇÃO. Na verdade o que tem é muita cobrança por parte dos sindicatos dos professores e funcionários administrativos de escola e dos parlamentares Daniel Zen e Edvaldo Magalhães.

Que afirmam que essa grana deveria ter sido paga há muito tempo e só estão fazendo isso agora porque não conseguiram mais esconder as informações do caixa que existe. Tem algumas situações que precisamos comprender:

Primeiro, com o novo FUNDEB houve um aumento nos repasses constitucionais para a educação. Segundo, com as escolas paralisadas devido a pandemia não houve despesa com manutenção e merenda e outros serviços. Terceiro as inúmeras pressões da nossa categoria por melhorias salariais. Desta forma, se não dessem o abono o governo não cumpriria a obrigatoriedade de investir os 25% na educação e sem o cumprimento dessa obrigatoriedade constitucional o governo não aprovaria suas contas no TCE.

E tem mais, isso é somente deste ano, porque o do ano passado o gato comeu”.

E Veja Também no 3 de Julho Notícias

Veja o Vídeo Abaixo: O presidente Jair Bolsonaro disse que vai prorrogar por mais dois anos a desoneração da folha de pagamento das empresas de 17 setores. “Resolvemos prorrogar por mais dois anos a desoneração da folha. Isso tem a ver com manutenção de emprego. Quem se eleger em 2022 vai ter 2023 todinho para resolver essa questão”, disse em um evento no Palácio do Planalto.

https://3dejulhonoticias.com.br/

Nenhum comentário: