11.13.2021

Reajuste de 21% estimado para a conta de luz em 2022 será o maior em sete anos


Considerando dados da Aneel, o reajuste acumulado neste ano só para o consumidor residencial chegou a 7,04%, ou seja, o aumento projetado para o ano que vem praticamente triplica a alta de 2021
13 de novembro de 2021, 06:47 h Atualizado em 13 de novembro de 2021, 06:47

   IBGE: reajuste na tarifa de energia pressiona inflação (Foto: Divulgação)

247 - Um documento interno da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) projetou um "impacto tarifário médio em 2022 da ordem de 21,04%", devido às medidas que foram adotadas para garantir o abastecimento de energia. Considerando dados da instituição, o reajuste acumulado neste ano só para o consumidor residencial chegou a 7,04%, ou seja, o aumento projetado para o ano que vem praticamente triplica a alta de 2021. Em 2020, o aumento médio foi de 3,25%. Os relatos das entrevistas desta matéria foram publicados pelo jornal O Estado de S.Paulo.

O presidente da Associação dos Grandes Consumidores Industriais de Energia e de Consumidores Livres (Abrace), Paulo Pedrosa, chamou atenção para o custo médio das térmicas, um triplo acima do normal. "A Abrace vem alertando seus associados há muito sobre a explosão do custo da energia para o próximo ano. Só em relação aos Encargos de Serviço do Sistema (ESS), térmicas contratadas emergencialmente e a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) podem superar o preço de R$ 130 por megawatt-hora em 2022, quando não deveria ultrapassar R$ 40", explica.

"É quase o custo de uma energia nova. É importante atacar a raiz dos males que comprometem o setor elétrico. O preço equivocado da energia esvazia os reservatórios e depois cobra caro dos consumidores para enchê-los de novo", complementou.

Enviar

Segundo a Confederação Nacional da Indústria (CNI), o aumento no preço da energia elétrica resultará em uma queda de R$ 8,2 bilhões no Produto interno Bruto brasileiro, neste ano, em comparação com o que ocorreria sem a crise energética.

A entidade estima que, para 2022, a previsão de perda chega a R$ 14,2 bilhões devido ao custo energético. "Neste ano, o consumo das famílias se reduzirá em R$ 7 bilhões, as exportações terão perdas equivalentes a R$ 2,9 bilhões, e o impacto no emprego será de menos 166 mil postos de trabalho", afirmou a CNI.

O coordenador do programa de energia do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), Clauber Leite, afirmou que o governo tem falhado em apresentar um planejamento que evite rombos financeiros como o atual.

"O caminho para mais uma solução insustentável está posto, e isso vemos com a notícia do rombo que ficará para o setor elétrico, após esse acionamento indiscriminado de térmicas. Já tínhamos alertado para esse risco de um novo empréstimo a ser tomado em nome dos consumidores e parece que temos mais um elemento para irmos nessa direção", afirmou.

"Há necessidade de uma modernização do setor. Uma solução paliativa, como o empréstimo para cobrir esse rombo, só resolve o aumento para o ano que vem, e joga a dívida para os anos seguintes. Não é possível ficarmos recorrendo a essa solução, enquanto não se estanca a sangria, que é a vulnerabilidade do setor elétrico a uma crise hídrica e climática", disse.
Fonte: brasil247.com

Nenhum comentário: