sábado, 26 de novembro de 2022

EUA começam a relaxar sanções contra a Venezuela e US$ 3 bilhões congelados serão liberados

Recursos bloqueados em bancos europeus e estadunidenses serão destinados à ajuda humanitária
26 de novembro de 2022, 18:59 h Atualizado em 26 de novembro de 2022, 19:04

Biden e Maduro na posse de Dilma Rousseff em 2015 (Foto: Reprodução)

CIDADE DO MÉXICO, 26 de novembro (Reuters) - O governo e a oposição da Venezuela pediram às Nações Unidas para administrar um fundo de bilhões de dólares agora mantido em bancos estrangeiros, que será gradualmente descongelado para combater uma crise humanitária no país rico em petróleo, disseram delegados anunciado na Cidade do México no sábado.

Fontes disseram à Reuters no mês passado que os fundos congelados somam mais de US$ 3 bilhões.

O dinheiro, mantido em contas venezuelanas no exterior, foi congelado por bancos americanos e europeus depois que os Estados Unidos aumentaram as sanções sob o governo do presidente Donald Trump, destinadas a pressionar o presidente Nicolás Maduro a tomar medidas para eleições livres.

As negociações entre o governo de Maduro e seus oponentes políticos foram retomadas na Cidade do México no sábado, mediadas pela Noruega, depois de ficarem paralisadas por mais de um ano.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, saudou as negociações como "um passo importante para restaurar a democracia para os venezuelanos".

"Vamos esperar que as partes alcancem acordos duradouros que estabeleçam o rumo para eleições presidenciais livres e justas em 2024", disse ele no Twitter.

Maduro também postou uma declaração no Twitter, dizendo: "Sempre buscaremos o diálogo com toda a sociedade venezuelana. Continuamos a dar passos importantes para o bem-estar de nosso país".

Após o anúncio de um fundo administrado pela ONU, o Departamento do Tesouro dos EUA emitiu uma licença para a Chevron, a segunda maior empresa petrolífera dos EUA, para expandir as operações na Venezuela, permitindo-lhe importar petróleo bruto venezuelano para os Estados Unidos.

A delegação do governo foi liderada pelo líder do Congresso, Jorge Rodriguez, do Partido Socialista Unido (PSUV) da Venezuela, e o grupo de oposição foi chefiado pelo político Gerardo Blyde.

Maduro havia dito que o objetivo das negociações era recuperar os recursos "sequestrados" para investimento público: "Então veremos que outros assuntos podem ser discutidos".

Os fundos destinam-se a ajudar a estabilizar a rede elétrica do país, melhorar a infraestrutura educacional e lidar com o impacto das chuvas e inundações mortais deste ano.

Faz parte de uma ampla agenda que abrange as sanções dos Estados Unidos à Venezuela, as condições para as próximas eleições presidenciais e a situação de centenas de presos políticos - embora essas questões não sejam discutidas nesta rodada de negociações.

"Este acordo fornece o modelo de como mais progresso pode ser garantido", afirmou a União Europeia em um comunicado.

Mais de 7,1 milhões de venezuelanos deixaram seu país de acordo com estimativas da ONU este ano, muitos migrando para outros países latino-americanos ou para os Estados Unidos, enquanto a Venezuela luta contra a alta inflação e a escassez de alimentos e remédios. Mais da metade dos migrantes venezuelanos não tem acesso a três refeições por dia, mostraram estimativas da ONU.

Na Venezuela, uma pesquisa realizada por universidades locais este ano mostrou que cerca de 78% da população estava preocupada com a falta de alimentos, em comparação com 88% em 2021.

Alguns críticos venezuelanos e norte-americanos levantaram preocupações de que a injeção de liquidez poderia aumentar as credenciais de Maduro antes das eleições de 2024 no país.

Fonte: brasil247.com

Nenhum comentário: