quinta-feira, 22 de julho de 2021

Centrão já manda no Brasil sem intermediários

Escolha do senador Ciro Nogueira para a Casa Civil evidencia que a crise política é grave, aponta a jornalista Andrea Jubé, analista política do Valor Econômico
22 de julho de 2021, 05:10 h Atualizado em 22 de julho de 2021, 05:10

(Foto: Reprodução/TVBrasil)

247 – "A escolha do senador Ciro Nogueira (PI), presidente do Progressistas (PP) e líder do Centrão, para a assumir a Casa Civil no lugar do general da reserva Luiz Eduardo Ramos evidencia que a crise política é grave e preocupa o presidente Jair Bolsonaro ao ponto de ele finalmente dispensar intermediários na interlocução com o bloco de aliados que lhe dá sustentação no Congresso. Ciro Nogueira no ministério mais importante do Palácio do Planalto significa, na prática, o Centrão no comando do governo", avalia a jornalista Andréa Jubé, no Valor Econômico.

"É a primeira vez, desde o surgimento do Centrão, durante os trabalhos da Assembleia Constituinte, que um líder do bloco assume a cadeira mais relevante do governo. Tradicionalmente, a Casa Civil é comandada por um aliado da confiança absoluta do presidente. Em geral, dos quadros do partido. Acrescente-se que o Centrão contará com dois assentos no quarto andar do Planalto: Nogueira vai atuar em sintonia com a ministra da Secretaria de Governo, Flávia Arruda (PL), que já vem articulando em dobradinha informal com o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL). Em outras palavras, o governo Bolsonaro terá os próceres do Centrão, Ciro Nogueira e Valdemar Costa Neto, presidente do PL – protagonistas de escândalos como o Mensalão e a Lava-Jato - na linha de frente do Planalto", aponta ain

Fonte: brasil247.com

Um comentário:

J. Cícero Alves disse...

Durante a campanha eleitoral, Bolsonaro jurou de pés juntos por tudo quanto é santo que jamais “negociaria” com deputados e senadores e fez pesadas críticas contra o fisiologismo dos partidos que compõem o chamado Centrão, prometendo solenemente aos seus eleitores que em hipótese alguma abraçaria a política do toma lá dá cá e que seu governo implantaria uma “NOVA POLITICA” no país.

Não é porém o que se vê hoje nas ações e estratégias do governo federal.

A nomeação do senador Ciro Nogueira para a Casa Civil mostra que Bolsonaro se tornou refém do Centrão, e já não decide mais nada, já não comanda mais. O Brasil está mãos do Centrão.

Bolsonaro é o presidente de direito. Mas Lira, Nogueira e Cia são os governantes de fato.

É a isso que Bolsonaro chama de “nova política”?!!

Não! O nome disso é desespero!!

Sabe que seus dias de presidente estão contados.

Em 2022, Bolsonaro será derrotado nas urnas, seja qual for seu adversário.

Ninguém suporta mais esse sujeito no poder.

Seu governo não é somente péssimo, mas também catastrófico e letal para o povo.

Consciente disso, Bolsonaro tenta ganhar sobrevida, agarrando-se ao Centrão.