29/01/2019

Mesmo contrariando vontade de Gladson, Vagner e seu filho são nomeados no governo




O ex-prefeito de Cruzeiro do Sul, Vagner Sales, foi oficialmente nomeado como secretário Extraordinário de Articulação Política do governo Gladson Cameli. De tabela, seu filho, o empresário Fagner Sales, também foi nomeado para cargo de Diretor Executivo no Departamento de Estradas de Rodagem, Infraestrutura Hidroviária e Aeroportuária do Acre – DERACRE. As nomeações constam na edição do Diário Oficial do Estado nesta terça-feira, 29.

As oficializações das nomeações dos membros da família Sales vem de encontro ao impasse da eleição da mesa diretora da Aleac. onde Vagner teria afirmado que, “o MDB tem como alternativas entrar na justiça se o partido não indicar o primeiro secretário da Mesa Diretora”. A eleição acontece daqui a três dias, 1º de fevereiro, após a posse dos novos deputados.

Sales contraria as vontades do governador Gladson Cameli (Progressistas) e de seu vice Major Rocha (PSDB), que já declararam apoio a chapa formada com o deputado Nicolau Junior, cunhado de Cameli, como presidente da Casa, e tucano Luiz Gonzaga, como primeiro-secretário.

Sales fundamenta a ameaça do MDB argumentando que a Constituição Federal exige a proporcionalidade dos partidos com assento na Casa Legislativa na direção do Poder. “Temos duas alternativas: se o deputado Nicolau Junior (PP), que é o candidato a presidente, não aceitar o MDB na primeira secretaria vamos nos juntar com a oposição totalizando 14 votos; a outra é derrubar na Justiça a eleição e convocar novo pleito respeitando a CEF”, revelou.

O ex-prefeito disse, ainda, que o MDB tem a maior bancada na Casa, que são os deputados Meire Serafim, Roberto Duarte e Antônia Sales. “O MDB não fechou questão em torno de nomes, pode ser qualquer um dos três, o espaço é que está sendo reivindicado pelo nosso partido”.

Na semana passada, o principal nome do MDB ao cargo, Deputado Roberto Duarte, afirmou ao ac24horas que o governador Gladson Cameli havia prometido o espaço para o MDB.

Nenhum comentário: